segunda-feira, setembro 14, 2009

Á espera

A mão do “ideotário”, fazedor de afectos na blogosfera, também fazedor de ginjinha com elas, fez-me chegar em mão esta preciosidade!
“Elas” brilham através do vidro, colorido rubi, invejam os olhares gulosos que aguardam pacientemente que as ditas aparentem um ar mais envelhecido, para que finalmente os já preparados copinhos/kálices para a prova, sintam o tão desejado liquido escorrer pela torneirinha e cair-lhes no interior para o apetecível manjar.
Pelo aspecto falta pouco para beber, trincar e deitar fora o caroço.


A receita está aqui

18 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá

Fiquei com vontade de provar!

Bjs.

Anónimo disse...

....não se perbe lá mtº bem pq não é já aberto, servido....etc etc..

.Lis disse...

Ah,quanta covardia comigo! jamais poderei provar dessa preeciosidade que o senhor das ideias te ofereceu, Lilá(s).Quem sabe um dia ele joga uma ao mar e eu a encontro! rsrs
Ainda encontramos gentleman's por aqui, lindo presente, com cor e sabor.
Grande abraço

Milu disse...

Ah, mas essa ginja deve ser de beber e espernear por mais, com vinho tinto e tudo...
Um beijinho.

Justine disse...

A vida é mesmo feita de coincidências e acasos: ontem ofereceram-me uma garrafa exactamente igual, cheia "dela" feita em casa...
Um abraço

MagyMay disse...

E digo eu que sou abstémia...
mas até que apetece provar!

Um beijo e um abraço

Pena disse...

Simpática Amiga:
"...Eram muito populares entre os romanos que as levaram para vários pontos do seu império, entre os quais a Grã-Bretanha, no século I. No século XV a ginja era já um fruto muito comum em Portugal, sendo usada para diversos fins medicinais. Por altura do terramoto de 1755, existiam em Lisboa estabelecimentos que vendiam ginjas mergulhadas em aguardente, bebida que mais tarde viris a ficar conhecida como ginjinha..."


Uma bela ginjinha. Apetecível!
Tem bom gosto e apurado bom senso.
Com respeito...
Grato pela visita...

pena

Sara disse...

Ai amiga, que apetecivel está a tua ginginha e que receita espantosa nos brindou o nosso amigo Viktor.

Ginginhas fazem-me lembrar o meu pai que todos os anos nos brinda com uma garrafa ou outra feita por ele.

É bom saborear este nectar dos Deuses que tanto nos adoça a boca e que bem que sabe. Vai um copinho? Bjs

Anónimo disse...

OK amiga, então com tão bela garrafita é este fim de semana que aceito a sardinhada na Aldeia lar, vamos nessa.
bjs
Nina

Princesa disse...

Obrigada pela visita, sempre tão carinhosa e pelas simpaticas palavras deixadas...

_____________00______AS AMIZADES
____________0000_______VERDADEIRAS__
___________000000____SÃO COMO__
__________00000000_______AS ESTRELAS__
________000000000000__________NÃO____
00000000000000000000000000000__AS_____
__0000000000000000000000000__VEMOS__
____000000000000000000000___TODA_____
______00000000000000000___HORA____
_______000000000000000___MAS SABEMOS_
_______000000000000000_____QUE ELAS ___
______00000000000000000_______*EXISTEM*_
_____000000000_000000000___________TENHA
____0000000_______0000000___________UMA
___000000___________000000___BOA NOITE
Beijinhos

tulipa disse...

Fico sempre com tanta vontade de conhecer este sitio...
obrigada pelas palavras de apoio...

um abraço
tulipa

Vieira Calado disse...

É caso para dizer:

Vão-se as ginjas

fica o frasco...

que é espectacular!


Obrigado pelo seu interesse
em saber mais sobre o meu livro.

Depois, digo.

Bem haja!

Maria Faia disse...

Hum!.
Ia bem uma ginginha sim senhor!
E o aspecto é soberbo...

Abraço amigo e votos de boa semana,

Maria Faia

Anónimo disse...

...acho que os idiotas sempre tiveram ideias geniais e ginginhais...ABRA-SE JÁ...

gaivota disse...

uma ginjinhaaaaaaaaaaaaaaaaa
para mim, continuo fiel à MSR de alcobaça... ou, rm óbidos, à do ibn rex!... a do meu irmão não posso publiciar... não chega para os gastos caseiros!
beijinhos

Vicktor disse...

Querida Lilá(s)

Contam os mais velhos que estas terras que os monges cultivavam em Valle do Rosal eram de grande fertilidade e o vinho obtido das uvas da quinta, um vinho de excepção...

Não admira pois que o vinho misturado com a aguardente vínica que também produziam em alambiques de cobre, desse uma bebida suave e generosa aromatizada com as ginjas...

Um beijinho.

mfc disse...

Hummmm.... mas que preciosidade!
Está a vir-me água á boca!

Avelaneira Florida disse...

Que ricas!!!! com "elas"...efectivamente!!!!!
E como menosprezar o prazer de as degustar??????

Belíssima ideia!!!!!!